Eu sou um livro fechado

Para dizer a verdade, ninguém me conhece verdadeiramente. A minha mãe não sabe a parte das experiências que eu já passei, o meu pai... Bem, esse nem me conhece. Amigos... Esses também não sabem tudo. Anteriormente, eu era um livro aberto, mal fazia uma amizade contava tudo acerca de mim e isso por vezes lixava-me... Depois, aprendi a não o ser. Neste momento, ninguém me conhece na totalidade, só eu... Tenho os meus complexos, as minhas manias, as minhas parvoíces, os meus segredos... o normal, mas isso só eu sei. Os meus amigos vão sabendo algumas coisas, mas mais nada. Há assuntos que não conto mesmo a ninguém, primeiro porque não tenho essa necessidade e segundo, porque prefiro guarda-los para mim... prefiro sofrer, ou ficar mesmo feliz por eles. Amigos amigos, são aqueles que ainda estão presentes na minha vida e aqueles que apesar de tudo ainda se preocupam comigo, com esses sim, sei que posso sempre contar. Este ano passei por imensas coisas novas, foi um ano de mudança... Aprendi a lidar com as pessoas, acima de tudo. Sei que não posso ser um livro aberto, tenho de ouvir/ ser ouvida de vez em quando, tenho de exprimir as coisas de uma forma clara e calma para me fazer ouvir... Mas essencialmente, aprendi a distinguir os tipos de amigos que existem.

1 comentário:

Sofia Duarte disse...

Se queres saber a minha opinião, tens de passar a olhar à tua volta Ana. Está na altura*